× Bienal'19 Ci.CLO Bienal Adaptação e Transição Programa Mapa Residências Bienal Exposições Simpósio Oficinas Bolsas Equipa Diário Sobre CI.CLO Parceiros Notícias de Imprensa Faça Parte Imprensa Equipa Contactos

PT EN

14072015-Migouelou_024-Kopie.gif
Claudius Schulze

STATE OF NATURE

Claudius Schulze

O tema da obra State of Nature centra-se na questão de até que ponto a proteção contra as catástrofes naturais se tornou parte da paisagem europeia. Claudius Schulze viajou cerca de 50.000 km pela Europa, fotografando com uma câmara de grande formato, a partir de uma plataforma de trabalho aérea, paisagens aparentemente pitorescas. Mas, cada um desses cenários idílicos contém imperfeições: os panoramas alpinos são atravessados por abrigos de neve e a costa do Mar do Norte é sulcada por quebra-mares. Nestas fotografias, elevam-se estruturas de proteção na paisagem.


Na era do Antropoceno, as alterações climáticas e os fenómenos climáticos extremos aumentam continuamente as espirais de vendavais, as inundações e as avalanches - são os organismos de proteção civil a preservar a vida quotidiana. Estas fotografias não se prendem com a definição dos limites entre “artificial” e “natural”. Contrariamente, as defesas são o pré-requisito para estas paisagens: O sol brilha na superfície dos lagos das montanhas unicamente porque a água foi artificialmente represada, as dunas apenas se erguem porque estão protegidas contra a impetuosidade das tempestades.


No “Primeiro Mundo”, os relvados são regados, os rios são mantidos sob controlo pelos diques, as montanhas abrem-se aos desportos de inverno. Não é, pois, surpreendente que os europeus tendam a considerar a natureza como pitoresca, atraente, subjugada. Esqueceram-se dos tanques sublimes e ameaçadores que a natureza possui para se defender. A civilização está bem protegida contra os perigos da natureza e os perigos que surgem da poluição ambiental e das desenfreadas emissões de carbono. Neste momento, ainda beneficiamos da condução das alterações climáticas através do nosso consumo. As catástrofes para as quais no equipámos e que são consequência das nossas ações, são em grande medida sentidas noutros lugares e não por nós. Vivemos ainda despreocupados, na crença da beleza pitoresca da natureza que nos rodeia, enquanto noutros lugares, a natureza catastrófica ataca com mais força do que nunca.

www.claudiusschulze.com